DOMILENE BORGES: HOSPITAL MATERNO-INFANTIL EXPANDE SERVIÇOS SEM PERDER QUALIDADE


No final de 2021, o Governo da Bahia inaugurou o Hospital Materno-Infantil Dr. Joaquim Sampaio, na área do antigo Hospital Geral Luiz Viana Filho, na Conquista, em Ilhéus. Segundo o plano original, caberia à Prefeitura de Ilhéus administrar o novo equipamento, mas a ideia não foi à frente.

Desde sua abertura, a unidade é administrada pela Fundação Estatal Saúde da Família (Fesf-SUS). Nos dezoito meses em atividade, foram mais de 4.800 partos, 6.487 internações (sendo 353 de recém-nascidos que precisaram da UTI), 160 mil atendimentos e 204 visitas guiadas, segundo balanço da assessoria da instituição.

Nesta entrevista ao PIMENTA, a enfermeira Domilene Borges, que assumiu a direção-geral do Materno-Infantil em dezembro de 2022, fala sobre o desempenho do Hospital nos serviços prestados desde a inauguração; comenta iniciativas adotadas após a abertura da unidade; aborda desafios da gestão; e antecipa projetos que serão implementados nos próximos meses, com direito à ampliação do rol de cirurgias. Leia.

PIMENTA – O Hospital Materno-Infantil acaba de completar um ano e meio. Qual avaliação a senhora faz do trabalho desenvolvido até aqui?

DOMILENE BORGES – O Hospital nasceu para atender vinte municípios, oito da microrregião de saúde de Ilhéus e doze de Valença. Seguimos numa crescente de atendimentos e de demandas. Hoje, o Materno já é referência para toda a macrorregião sul da Bahia, englobando as regiões de Itabuna e Jequié, além de extremo-sul e sudoeste.

Se a gente pudesse dar nota objetiva ao desempenho da unidade, de zero a dez, qual seria?

A gente não pode falar nota dez, porque sempre existe alguma pendência. Somos uma unidade de média e alta complexidade, mas, para alguns serviços, ainda precisamos de referência em Salvador. Às vezes, acionamos a regulação para transferir a criança. Por isso, não falo que o Materno merece nota dez. Mas, dentro do que o Hospital pode ofertar e pela forma da assistência prestada aqui, eu dou dez, tranquilamente.

Quais serviços o Hospital oferece desde a abertura e quais foram implementados depois?

Desde a abertura, a obstetrícia e a pediatria de média e alta complexidade, com a UTI Neonatal e a UTI Pediátrica. Atendemos do nascimento aos 15 anos. Temos propostas perto da concretização, como a ortopedia pediátrica; o tratamento da fenda palatina, que é o lábio leporino; e a parte de cirurgia pediátrica, demanda enorme da região. Buscamos credenciamento da Sesab para as ligaduras eletivas. O Hospital já faz laqueadura, mas só quando o procedimento é associado à cesariana e a gestante manifesta interesse. Com a mudança da legislação, a gente passou a ter mulheres procurando a unidade em busca desse serviço. Também estamos adequando a unidade para acolher os povos originários.

Como vai funcionar o projeto das doulas comunitárias?

Domilene: ouvimos a população

A doula é uma figura muito forte para as mulheres na gestação e no parto. A ideia é ofertar esse serviço para todas as mulheres. O que a gente tem hoje? Há mulheres que podem pagar às doulas e são acompanhadas. A gente propõe que elas trabalhem voluntariamente no Hospital e possam dar atenção a todas as mulheres que venham parir aqui no Materno.

Hospitais públicos costumam ser sobrecarregados por demandas que deveriam ser atendidas nos postos de saúde ou em unidade de pronto-atendimento. Como a direção do Materno-Infantil lida com essa realidade?

Quando a criança chega na unidade, é acolhida e passa por uma triagem, que determina o grau de risco. Crianças com o perfil verde ou azul [de risco], que deveriam ser atendidas em unidades básicas de saúde ou de pronto-atendimento, são avaliadas duas vezes. Confirmado o perfil verde ou azul, encaminhamos à UPA, porta de entrada do município. Se não for [caso para unidade básica], a criança é atendida aqui. Tivemos reunião com o município e formatamos um fluxo para que essas pessoas não fiquem soltas na rede nem sem atendimento. Hoje, temos um ambiente mais tranquilo na entrada do Hospital.

_____

Ser mulher conta bastante, por conhecer os pontos mais sensíveis, as necessidades que as mulheres têm na gravidez e no parto.

_____

O que significa ser mulher no comando de uma instituição que se relaciona de modo específico com as mulheres e num momento da vida em que costumam estar mais sensíveis e, às vezes, vulneráveis?

Ser mulher conta bastante, por conhecer os pontos mais sensíveis, as necessidades que as mulheres têm na gravidez e no parto. Não que um homem não possa assumir uma unidade materno-infantil, claro que pode, mas a mulher vai ter esse olhar mais sensível e direcionado às necessidades do público feminino. A gente consegue pegar detalhes – coisas pequenas, mas necessárias para a mulher nesse momento – e trazer resposta em forma de serviço.

Como é a relação do Hospital com a comunidade?

Não consigo visualizar o Hospital só dentro do Hospital. A gente precisa do trabalho extramuro, estar presente na comunidade e mostrar o que oferecemos à população. Muitas pessoas não sabem o que o Materno-Infantil oferece. Trabalhamos com o Ministério Público, Defensoria Pública, Câmara de Vereadores. Recebemos secretários municipais da região para que eles conheçam o equipamento para o qual encaminham seus pacientes e como eles devem fazer isso. Trabalhamos com associações de moradores para irmos aos bairros. Ouvindo a população, obtemos retorno da qualidade do atendimento, sabemos quais são as demandas e vemos em que o Materno pode ajudar. Começamos a fazer essa escuta em Ilhéus. A intenção é levar aos vinte municípios da área de referência.

Quais são as demandas mais recorrentes que o Hospital ainda não atende?

Cirurgias pediátricas, de fimose e de hérnia e a parte de ortopedia pediátrica, uma fragilidade do SUS em Ilhéus. Escutamos isso em todos os lugares. Acredito que, dentro de 30 a 60 dias, a gente já comece a ofertar alguns desses serviços.

_____


Aparecerão novas demandas, mas a gente precisará avaliar. Não adianta ampliar muito e não ter como acolher a população.

_____


O que a gestão do Hospital tem como objetivo para o próximo ano?


A gente espera que o serviço de ortopedia e as cirurgias já estejam disponíveis para toda a região. Queremos implantar as cirurgias na parte de otorrino e a parte de laqueadura. São projetos que a gente quer implantar ainda neste ano, mas que, a partir do próximo ano, estarão rodando melhor. Aparecerão novas demandas, mas a gente precisará avaliar. Não adianta ampliar muito e não ter como acolher a população. A gente precisa continuar ofertando nosso serviço com a qualidade de hoje. Não quero macas nos corredores e crianças do lado de fora esperando atendimento. Temos o cuidado de planejar a ampliação do serviço dentro da capacidade de oferta.


Como vai o diálogo da instituição com a comunidade LGBTIAPN+?

A gente está começando a conversar para ver como o Hospital pode se inserir nesse universo e ajudar nas demandas por saúde, principalmente da população trans. Realizamos um seminário para nossos trabalhadores, para que eles consigam entender a necessidade de estarmos preparados para acolher esse público.

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu